Kwid a R$ 60 mil: Carro popular acabou ou dinheiro do brasileiro sumiu?

Imagem: Novo Renaut Kwid

WWW.ASSARENOTICIAS.COM.BR

Os carros populares, assim chamados os modelos de entrada em um passado nem tão distante, tiveram seu fim decretado com o incremento das normas de segurança e de emissões para esses produtos e pelo próprio desejo do consumidor por mais tecnologia.

Hoje não se compra um veículo zero km por menos de R$ 59.980 - menor preço encontrado no País pela versão Zen do Renault Kwid ano/modelo 2023, apresentado nesta quinta-feira, 20. Dias antes a Fiat divulgou nova tabela de preços do Mobi, que parte de R$ 61 mil.

Tanto a Renault como a Fiat retiraram dos catálogos desses tais carros populares as opções mais em conta: Kwid Life e Mobi Easy. A matemática do mercado falou mais alto: no caso do Kwid a versão respondia por 1% a 2% do mix de vendas. Ou seja: a conta não estava favorável considerando todo o trabalho na programação de produção e compra dos itens específicos para versões pouco demandadas pelo consumidor.

É que agora o cliente não quer mais carros sem ar-condicionado, direção elétrica e sistema multimídia. Ele sabe que, num determinado patamar de preço [R$ 50 mil], encontra muita coisa boa no mercado de seminovos. E com a pressão dos sucessivos aumentos de custos a indústria deixa de competir porque não consegue colocar carros mais equipados nessa faixa de preço.

Mas vamos relembrar o passado: o carro popular nasceu com a premissa de que seu preço seria algo em torno de US$ 10 mil. A partir daí surgiram os modelos 1.0 consagrados: Uno Mille, Gol, Corsa, Ka, dentre outros.

Na cotação de quinta-feira, 20, dia em que foi divulgado o preço do Kwid Zen, o dólar fechou a R$ 5,41. Portanto, em dólar, o carro mais barato do mercado nesta semana sai por US$ 11 mil.

Fica então a questão: o carro popular acabou ou o poder de compra do brasileiro sumiu?

O primeiro de muitos. Segundo a Renault 50% dos compradores do Kwid migram do mercado de seminovos. Outros 23% não têm automóvel na garagem. Ou seja: o hatch é o primeiro carro 0 KM de muitos brasileiros.

400 mil veículos. É a demanda das locadoras para 2022, segundo a Abla, entidade que representa o setor. Na verdade este é o volume que elas admitem receber: a necessidade desse mercado seria de 600 mil a 800 mil veículos.

2 mil eletrificados. É o que pretende adquirir a Unidas este ano. Reservou R$ 370 milhões para sua nova frota de veículos sem emissões.


Por redação: Leandro Alves

Colunista do UOL

Share:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Redes Socias

Google Plus Facebook Instagram email Email

JP Viagens

Escritório de Advocacia

Arena I9

HOTEL ALENCAR

MSET DIGITAL

Dallas Carirí

Salles Quentinhas

Escritório de Advocacia

AL SOM

Inove Eventos

FARMÁCIA BIOFARMA

As Mais Lidas do Site

Total de visualizações do Site